Sobre o Movimento Popular INCLUA-SE

Minha foto
São Caetano do Sul, Região do ABCD /São Paulo, Brazil
Não sabemos o que somos e sim o que NÃO somos! Não somos uma organização não governamental sem fins e muito menos com fins lucrativos (ONGs); Não somos um INSTITUTO; Não somos uma INSTITUIÇÃO nem pertencemos a uma; Não somos de CONSELHOS nem representamos segmentos. Não defendemos bandeiras PARTIDÁRIAS. Sendo assim, somos ILEGÍTIMOS aos olhos dos Poderes Constituídos!

- Pisos do Passeio


 Postado em 06.05.2010

Como vimos na postagem anterior, a largura adequada da área de passeio é primordial para se promover a caminhabilidade com fluidez, assim como o piso (material) adequado e as inclinações amenas do passeio são importantes para garantir o conforto e a segurança do pedestre.


Segundo a Lei 10.098-2000, consubstanciada na norma técnica NBR 9050-04, o piso:

Deve ter superfície regular, firme, estável e antiderrapante sob qualquer condição, que não provoque trepidação em dispositivos com rodas (cadeiras de rodas ou carrinhos de bebê).


Ou seja, conforme o bom-senso (que pelo visto está entrando em processo de extinção) não devemos utilizar os seguintes pisos na faixa de passeio:

Pisos de concreto:


Blocos intertravados (pavers).

google image

Estes pisos causam muita trepidação em dispositivos com rodas. Por serem assentados sobre colchão de areia, com o tempo  os blocos tendem a afundar tornando a superfície do passeio irregular e instável. Existem alguns modelos de blocos, sendo uns mais trepidantes que outros.


Ladrilho hidráulico com alto relevo.

google image
Embora apresente superfície regular, firme e estável, esses pisos também causam trepidação em dispositivos com rodas.


Concreto moldado in loco estampado.

google image

Assim como o ladrilho hidráulico, possui superfície regular, firme e estável; porém, dependendo do molde que simula estampas de pedras, tijolos ou cerâmicas, a profundidade do relevo causa trepidação em dispositivos com rodas como a estampa da imagem que imita o mosaico português. Além de  ficar escorregadio quando molhado, devido ao verniz.


Pisos de pedras:
Mosaico português

Google image


Assim como os blocos intertravados, o mosaico também é assentado sobre colchão de areia, o que torna a superfície do passeio instável; devido a isso, muitos passeios tiveram as pedras acimentadas para evitar o desprendimento das mesmas. Sua forma irregular causa trepidação em dispositivos com rodas e quando molhado esse piso fica escorregadio.

Miracema

Google image

Está pedra tem sido muito usada pelos municípes e, em muitos casos, acompanhada pela pedra ardósia; escorregadia quando molhada. É um piso de superfície extremamente irregular causando muita trepidação em dispositivos com rodas.

INCLUA-SE INFORMA



No entanto não se surpreendam se a prefeitura de sua cidade estiver adotando tais pisos como sendo os “ideais” para as faixas de passeio. Esta prática tem sido tão corriqueira que até mesmo quem discursa em favor da acessibilidade, da inclusão da pessoa com deficiência, propaga esse equívoco ao invés de transformar o estado -da-arte.

Acreditam que estes pisos possibilitam um caminhar seguro e confortável a todas as pessoas. Um exemplo destas práticas podemos encontrar nas cartilhas sobre acessibilidade nas calçadas elaboradas pelos CREAS - Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura - e a ABCP - Associação Brasileira de Cimento Portland!!!  


Para melhor entendimento leia a série: Cartilha de Acessibilidade nas Calçadas.



Na rua Piauí (nosso objeto de estudo), revitalizada pela municipalidade de São Caetano do Sul, me parece que o bom-senso deu o “ar da graça” quanto à escolha do piso.

Optaram pelas placas de concreto pré-moldado na cor cinza. De fato, um piso que garante uma superfície regular, estável e antiderrapante:

É agradável deslizar sobre este piso, seja utilizando uma cadeira de rodas, seja conduzindo um carrinho de bebê. Caminhar com um salto “Luís XV” é uma maravilha! As senhoras e senhoritas agradecem! Só lamento que a minha vida não se restrinja a rua Piauí.

Mas, embora o calçamento seja novo (2007), observamos em alguns locais que os pisos já estão quebrados, não sei se devido à baixa resistência do material ou à má execução da obra. Ou a ambos!






Qualidade dos materiais e manutenção constante é fundamental para se garantir a caminhabilidade - dica para as municipalidades e os munícipes.


Outro aspecto do piso citado pela norma:


Recomenda-se evitar a utilização de padronagem na superfície do piso que possa causar sensação de insegurança (por exemplo, estampas que pelo contraste de cores possam causar a impressão de tridimensionalidade).

Como estes pisos das imagens....

google image
google image
google image

A norma, infelizmente, mais uma vez fica somente no “recomenda-se”, quando a questão é assegurar o direito de ir e vir às pessoas com deficiência visual, do mesmo modo que o fez com os pisos táteis.


Se pisos como estes causam sensação de insegurança e desconforto e se o discurso é o da inclusão (a norma cita o desenho universal! Falaremos sobre em um outro momento), por que não há objetividade no texto?

O sensato não seria:

O piso da faixa de passeio não deve ter estampas e desenhos que pelo contraste de cores possam causar a impressão de tridimensionalidade.

A quem interessa ter pisos nos passeios públicos que causam impressão de tridimensionalidade? Com toda a certeza não será a pessoa com baixa visão.

Na próxima postagem falaremos sobre as inclinações do passeio.
_____________________________________________________


3 comentários:

  1. Achei de imensa valia este blog e já solicito a orientação, em excelente hora, pois estamos pensando na aplicação de piso num passeio do condominio em Gravatá-Pernambuco. Ficaria imensamente agradecido por sugestões de acessibilidade.Seriam muitos metros que circundariam toda a pista e lotes. Posso enviar o projeto para facilitar sugestões.
    Samuel Farias
    tradesports@terra.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá Samuel seja bem-vindo ao Inclua-se!

    Sugiro que procure um arquiteto (a) da sua cidade, ou região, para que o mesmo possa avaliar o local de modo a orientá-lo da melhor forma possível.

    É imprescindível que o profissional vivencie o condomínio para detectar as barreiras urbanísticas!

    Havendo dúvidas nosso e-mail é inclua-se@bol.com.br

    ResponderExcluir
  3. Solicito exemplos e modelo de piso, se possível com fotos antiderrapante sob qualquer condição seco ou molhado,pois já fui em varias lojas que me mostram pisos antiderrapante, más todos quando molhado ficam escorregadio, a onde moro é morro, alias maioria da cidade. Pois que tentar evitar acidentes com as pessoa que passam em meu passeio.

    ResponderExcluir